Trabalhei durante algum tempo como o principal responsável pelo LabX, o programa de formação de liderança Brasileiro com maior alcance presencial no país, estando presente em todos os estados do Brasil e em outros três continentes. Neste programa trabalhamos a liderança e a ‘fórmula do sucesso’ de um modo diferente de como a maioria dos autores a abordam, não simplesmente como técnicas de convencimento social, habilidades de falar em público, de persuasão e de arrastar multidões, mas sim como a capacidade de causar grandes transformações, atingir objetivos e conquistar sucesso na vida. Este tempo trabalhando com esse tipo de conteúdo me levou a ler vários livros, artigos e consumir muito conteúdo relativo as áreas de Liderança e Sucesso, gerando assim algumas reflexões ao longo do tempo que gostaria de compartilhar aqui.

O que é Liderança e Sucesso para você?

Durante os vários LabX que facilitei uma das primeiras perguntas que fazia para a turma era: O que é liderança? Quais são as características de um líder? Logo vinha uma lista com mais de 30 características (algumas turmas chegavam facilmente em 60) como:

Habilidade de comunicação, persuasão, motivar pessoas, confiança, inovador, pensar fora da caixa, resiliente, servidor, exemplo, bom para falar em público, faz networking, coach, mão na massa, companheiro, visionário, corajoso, vendedor, bom ouvinte, persistente, ambicioso, etc.

Pelo menos metade dessas habilidades, e que geralmente eram as primeiras características que apareciam na lista, estavam vinculadas com liderar os outros, ou seja, exercer influência sobre os outros para fazê-los trabalhar em direção a um objetivo definido por você, enquanto os desenvolve. Isso é de se esperar, uma vez que quando lemos os vários livros e autores de liderança eles reforçam essa visão de líder como alguém que lidera o outro. O que quero abordar aqui é: Será realmente que a liderança se resume a isso? Como iremos liderar e desenvolver os outros se mal conseguirmos fazer isso com a gente? Como atingir o sucesso?

Antes porém é importante entrarmos em consenso sobre o que é um líder, o que é auto liderança e o que é sucesso, uma vez que existem diversas definições. Aqui sugiro as seguintes:

  • Sucesso é estar entre os melhores do mundo no que você escolheu fazer
  • Auto-Liderança é a capacidade de atingir determinado objetivo estabelecido por você
  • Liderar é a capacidade de fazer os outros aceitarem objetivos colocados por você e trabalharem para realizá-lo

Assim para ter sucesso temos que, obrigatoriamente, nos auto-liderar, já que sem a capacidade de atingir objetivos e somar conquistas, independente da área, nunca estaremos entre os melhores do mundo. Em algumas dessas áreas para estarmos entre os melhores do mundo ainda precisamos ter a capacidade de liderar os outros para trabalharem pelo nosso sonho, como é o caso de empreendedores.

Perceba ainda que, de acordo com essa definição, qualquer um pode ser uma pessoa de sucesso independentemente de sua área. A diferença é que em algumas áreas é mais fácil definir quem alcançou ou não o sucesso, por exemplo, sabemos facilmente quem são os maiores esportistas do mundo contando suas medalhas olímpicas ou os maiores empresários vendo o lucro de suas empresas, mas não sabemos quem são as melhores mães de família do mundo. Assim, essa definição relativiza o sucesso para cada um, para uma pessoa pode ser conquistar riqueza, para outra ser um grande autor, um pai de família e marido exemplar, um engenheiro, um grande médico, porém impede que a ‘pessoa de sucesso’ fique na mediocridade, sendo obrigada a atingir um patamar de excelência, onde se coloca como uma referência na área escolhida.

A Auto-Liderança como caminho para o Sucesso

Como disse, os participantes do LabX (e provavelmente qualquer um para quem você perguntar) chegavam facilmente a uma lista de dezenas de características que um líder deveria ter, mas a maioria delas eram habilidades relacionadas a influenciar e persuadir pessoas.

Acredito que antes de desenvolver todas essa habilidades sociais relacionada com os outros devemos olhar para dentro e aprender como nos dirigir e desenvolver para conquistarmos o nosso sucesso. Nada mais justo que antes de começarmos a falar, começarmos a fazer, não é?

Quem desenvolve a auto-liderança se torna um Líder de Si e é capaz de se conduzir disciplinadamente para o seu sucesso e assim é capaz de conquistar o que quiser, inclusive se tornar um líder de outras pessoas se esse for seu objetivo. Mas COMO se auto-liderar e, consequentemente, atingir o sucesso?

“A formula do sucesso está aí, todo mundo conhece, a diferença é que alguns fazem e outros não.”

Ouvi essa frase de um empreendedor paraibano que está abrindo uma empresa de avião no estado e comecei a refletir bastante sobre ela, será que a formula do sucesso realmente “está aí” tão fácil para todo mundo? Como sempre me interessei por temas como filosofia do sucesso e liderança e li diversos livros e trabalhos sobre o tema, pensei em compará-los para descobrir essa tão simples fórmula do sucesso.

Antes é interessante notar que temos basicamente dois grandes tipos de literatura de sucesso/liderança: Uma que aborda temas vinculados com relacionamento e a liderança do outro e uma segunda que aborda a auto-liderança e é nessa que daremos enfoque.

Estudando alguns dos principais autores do tema como Napoleon Hill, Stephen Covey, John Maxwell, Jim Collins, Anthony Robbins, além de estudar a filosofia de trabalho de alguns administradores, empresários e consultores de referência como Taiichi Ohno, Jorge Paulo Lemann e Vicente Falconi para alcançarem grandes resultados, concluí que todos falam praticamente a mesma coisa, mudando as palavras ou se concentrando mais em um ou outro ponto.

Qual é a Fórmula do Sucesso?

Depois de comparar estes autores duas coisas me chamaram a atenção: A primeira é o quanto, mesmo com diferentes nomes, o método científico aparece como sendo a ‘fórmula de sucesso’ de alguns autores, por exemplo, encontramos isso de modo mais evidente nos livros de Anthony Robbins que chama de “A fórmula do supremo sucesso” o processo de a) decidir o que deseja, b) entrar em ação, c) verificar o que está funcionando ou não e d) mudar o enfoque até alcançar o que deseja; E nas obras do consultor Vicente Falconi que usa como base do seu processo de consultoria o PDCA, ferramente gerencial que significa plan, do, check e act, que nada mais é do que o método científico descrito por Descartes reescrito de uma forma mais prática e aplicável — Para mais informações sobre a sobreposição entre PDCA e método científico consulte o livro O Verdadeiro Poder de Vicente Falconi.

O segundo fato que me chamou a atenção é o quanto alguns hábitos e valores descritos como de pessoas de sucesso se repetem nas obras dos diferentes autores, ainda que cada autor use diferentes nomenclaturas ou enfoques, ou ainda opte por destrinchar um desses valores em vários. Minha abordagem foi sintetizar tais características em um núcleo comum mínimo, chegando nos seguintes hábitos de um Líder de Si:

Autoconhecimento: Capacidade de se conhecer e refletir de modo a entender e explorar seus pontos fortes e fracos, o que te motiva, como você aprende e se desenvolve, qual seu grande propósito de vida e objetivos de longo e curto prazo; Foco; Entendimento de seus valores e integridade em relação a eles.

Sonho Grande: Ter um objetivo definido; Sonhar grande e ter a santa ambição, querer conquistar sempre mais e fazer sempre melhor; Vontade de construir um verdadeiro legado.

Atitude Mental Positiva: Acreditar que é possível conquistar o que se deseja; Confiança em si; Entusiasmo para buscar seu objetivo; Bom humor e gratidão; Capacidade de conceber mentalmente o que se deseja; Fé inabalável no objetivo definido.

Execução: Botar a mão na massa e fazer, não se prender apenas ao planejamento; Buscar sempre fazer o melhor possível; Hábito de fazer mais do que a obrigação.

Protagonismo: Acreditar que é o único responsável e protagonista de seu destino; Assumir as rédeas da de sua vida; Resistir a tendência de ficar na zona de conforto; Assumir responsabilidade por suas ações; Ser pró-ativo.

Autodisciplina: Agir buscando melhoria contínua com treino e aprendizado; Vontade de querer fazer sempre mais e melhor; Ter disciplina intrínseca para seguir todos os passos de modo sistemático dia sim e dia também, independente do quão difícil seja; Resiliência; Foco.

Conexão: Associação com pessoas com o mesmo perfil de pensamento; Empatia; Capacidade de comunicação; Cooperação e trabalho em equipe; Pensamento ganha-ganha; Personalidade atraente; Criar ambientes com sinergia.

Sendo importante ressaltar que não são apenas “características” de sucesso, mas sim Hábitos que alguém que se auto-lidera deve ter. Um Hábito nos remete a algo que é intrínseco, algo que fazemos de modo consistente todos os dias e que está diretamente vinculado aos nossos valores e visão de mundo. Esses seis hábitos fazem parte do líder e do modo como ele encara o mundo externo e interno.

Desses seis hábitos ressalto ainda que os primeiros cinco dizem respeito unicamente a cada um de nós, sendo um processo de auto-liderança, enquanto apenas a Conexão retrata o universo das relações e das outras pessoas, mas ainda assim de um modo mais profundo, no qual buscamos construir empatia e entender e atender as necessidades de todos os envolvidos, não apenas influenciar arbitrariamente os outros para fazerem nossa vontade.

Juntamos agora esses seis hábitos com um sétimo que está relacionado ao Método (científico) ou ciclo PDCA.

Método: Pensar com exatidão; Girar o PDCA continuamente; Usar a dúvida sistemática; Analisar e sintetizar; Diferenciar fatos de hipóteses e opiniões; Traçar planos com base em análises e fatos.

Consolidando os Hábitos e o Método

Mas como juntar o método científico – PDCA – aos hábitos acima na prática de um modo realmente aplicável ao dia a dia?

P: pode ser encarado como o autoconhecimento, é o momento de olharmos para dentro e, conhecendo nossos pontos fortes, motivações e valores, traçar objetivos claros e bem definidos e um plano coerente para atingi-lo — Aqui vale ressaltar que esse objetivo pode ser seu Sonho Grande de vida ou um simples objetivo de curto prazo, o importante é definir algo, sem um objetivo principal definido você não será um líder de si, já que não tem um objetivo traçado, uma meta para alcançar.

D: é dividido em duas partes, sendo o bloco mais importante, uma vez que com alguma execução chegamos a algum lugar, mas com todos os outros hábitos sem a execução não seremos capaz de atingir objetivo nenhum, seremos capazes de idealizar, mas nunca de realizar. O D se divide primeiro em uma parte mental, de preparação, que é a atitude mental positiva e sem a qual dificilmente conseguiremos fazer algo grande para figurar entre os melhores do mundo e a execução em si, ir lá e fazer.

C: é checar (1) se você está conseguindo executar, caso não esteja provavelmente houve um erro na hora do planejamento, traçamos um objetivo que não nos automotiva a realização ou que é incongruente com nossas habilidade ou (2) conseguimos executar o plano mas não estamos tendo resultados. Em ambos os casos devemos tomar ações e planejar novamente, no primeiro caso olhando para dentro e no segundo caso reavaliando nossas análises e que novos caminhos podemos tomar para atingirmos melhores resultados. O C está diretamente vinculado ao protagonismo, pois exige a difícil tarefa de assumir nossos erros de planejamento e nossa incapacidade de execução e a criação de uma consciência de que os únicos responsáveis por não atingirmos nossos sonhos e objetivos somos nós mesmos, não é o governo, não é nosso chefe, não é nossa condição financeira. Só com essa consciência poderemos ser protagonistas do nosso destino.

A: É a capacidade de tomarmos atitudes para melhorarmos sempre o processo em direção ao objetivo traçado, já que provavelmente para atingi-lo deveremos girar o ciclo do PDCA várias e várias vezes e por isso se relaciona com a autodisciplina, já que é difícil, e até doloroso, girar esse ciclo continuamente. Precisamos de muita disciplina para executar a fórmula do sucesso dia sim e dia também, agindo quando necessário e sempre querendo ser o melhor do mundo. Sabendo que iremos fracassar e errar, mas devemos ser persistentes no método, uma vez que não existe caminho fácil e nem almoço grátis.

Cada vez que aplicarmos o método e girarmos o ciclo alcançaremos mais e melhores resultados, mas na maioria dos objetivos traçados, para ampliar nosso impacto de realização e causar grandes transformações, em algum momento precisaremos nos conectar com outras pessoas. Aqui entra a conexão como um hábito que potencializa e expande esse ciclo, mas que sozinha não nos levará a auto-liderança e consequentemente ao sucesso. Abaixo podemos vez um framework resumindo esse processo:

A formula do sucesso ductu

Observando esse ciclo não vejo nada de mais, nenhum grande segredo, tratam-se de hábitos extremamente simples. Tenho certeza que se prestar atenção verá esses hábitos em vários líderes espalhados por aí quando contarem suas trajetórias (recomendo assistirem os Day 1 da Endeavor). Parece que, como disse o empreendedor paraibano que citei, a formula do sucesso realmente “está aí” para quem quiser, a diferença é que alguns a seguem e colocam a mão na massa e outros não.

Ainda poderíamos acrescentar outros hábitos, características ou ferramentes de um líder nesse framework? Com certeza sim. Poderíamos reduzir de 8 para 3? Provavelmente sim, porém tentei me limitar a um número baixo de hábitos — 8 — sem deixar de ser didático e tentando englobar o maior número de características encontradas na minha revisão de literatura.

Simples? Sim! Fácil de colocar em prática? Não!