Essa é o segundo texto da série “Se tornando uma máquina de aprendizagem”, recomendo que você leia o texto número um sobre a Era da Curadoria clicando aqui.

Nesse segundo texto quero abordar o fato de que aprender geralmente é muito mais fácil do que imaginamos! Queria começar com dois exemplos pessoais:

1. Faz muito tempo que penso em começar um site para escrever coisas na linha do que faço aqui no Outras Frequências, mas nunca comecei pois não entendia nada de programação para colocar um site no ar. Essa falta de habilidade também já me prejudicou algumas vezes, por exemplo quando fundei a Liga Universitária de Empreendedorismo na UFABC e precisava de um site, mas como não sabia colocar um no ar tiver que contar com a ajuda de outras pessoas.

Depois de anos me convencendo de que não entendia nada de site, finalmente decidi começar esse humilde blog e, adivinhe, em 48h em botei ele no ar e gastei apenas 14 dólares! ANOS protelando algo que poderia ser feito em 48h! Conto essa história aqui nesse texto.

 

2. O mercado financeiro sempre me chamou a atenção e sempre quis começar a investir, mas nunca comecei pensando como deveria ser complicado e com medo de perder dinheiro. Depois de ler um texto falando que quem estava com grana na poupança estava perdendo dinheiro no Brasil (afinal com inflação de 10% ao ano e poupança rendendo 6% você está perdendo dinheiro), decidi aprender a investir.

Resultado? Em menos de um mês eu aprendi o que precisava, abri uma conta em uma corretora e comecei a operar em renda fixa e na bolsa de valores! Pois é, de novo algo que protelava há anos eu resolvi em menos de um mês! Conto em mais detalhes com comecei a investir (e te ensino a começar) nesse texto aqui.

 

Aprender é mais fácil do que você imagina!

Contei esses dois exemplos não para me gabar, mas para te mostrar o quanto a gente é tonto e fica e se auto sabotando! Falei no texto 1 dessa série a tendência que temos que de perder tempo com o que não importa ao invés de focar no que importa! Vamos aos cinco passos para aprender qualquer coisa:

 

1. Exploda suas crenças limitantes

Te falei o quanto eu acreditava ser difícil por um site no ar por que não programo. Adivinha o que descobri quando decidi criar esse site… Com novas tecnologias, como o WordPress, você não precisa saber programar uma linha de código sequer para por um site no ar! Eu adiei algo por anos sendo que minha maior crença limitante era FALSA!

Já parou para pensar quantas crenças limitantes falsas você tem? O que você acredita que é muito difícil e por isso nem começa? Será que é mesmo tão difícil? Você já tentou procurar sobre isso e ver de fato como funciona?

Te garanto que se você mudar seu mindset e parar de achar as coisas difíceis antes mesmo de começar tudo ficará mais fácil!

Questione suas crenças limitantes! As coisas são mais fáceis do que você imagina!

Ah, também vale acreditar que algo é difícil porque alguém que nunca fez isso está te falando que é difícil. As pessoas tem uma síndrome do mundo-contra-eu e que tudo é difícil, então nada de dar ouvidos para quem nunca ao menos tentou o que você quer fazer.

Livro muito bom para quem quer conhecer uma das iniciativas que vêm revolucionando a educação, a Khan Academy
 

2. Tenha um objetivo definido

Eu aprendi a criar um site do zero em 48h e a investir em menos de um mês, mas provavelmente isso só foi possível pois tinha um objetivo muito claro em mente. No texto #1 dessa série falei sobre a importância de saber o que você quer aprender e o saber o porque você quer aprender. Tenha isso em mente antes de começar e você se sentirá muito mais motivado!

 

3. No final (ou ao longo) da aprendizagem, EXECUTE!

Já parou para pensar o tanto de coisa que você aprendeu na escola ou na universidade? De quantos % você lembra? Fato é que conteúdo que não é aplicado é esquecido!

A melhor coisa para aprender é a prática, é mão na massa, é aprender fazendo. Já pensou se no fim de cada matéria da universidade você tivesse que colocar o conteúdo em prática no mercado real? Ia ser sinistro o tanto de projeto top que ia aparecer!

A execução tem três grandes vantagens:

  • Quem executa tem mais chances de lembrar do que aprendeu;
  • Se você tem por objetivo construir algo concreto ao final da aprendizagem sua motivação vai aumentar, você vai se dedicar muito mais e quando acabar e olhar para o que realizou vai se encher de orgulho, o que vai te dar mais energia para começar um próximo projeto. É um ciclo virtuoso;
  • O que conta é a execução, conhecimento sem ser aplicado não vale de nada. Se liga nessa frase do mega empresário Beto Sicupira:

“O que uma pessoa tem de saber? Não tem de saber nada. As pessoas valem pelo que elas são capazes de fazer, e não por aquilo que elas conhecem. Algumas pessoas sabem tudo, mas não conseguem transformar isso em nada.”

 

4. Acredite que você é capaz

Pense no seguinte cenário: Idade média. Todos são obrigados a escrever com a mão direita. Quem é canhoto tem o braço esquerdo amarrado nas costas para aprender a escrever com a direita.

Eu te pergunto, por que era errado escrever com a mão esquerda? Por que alguém convenceu a sociedade disso, mesmo sendo ridículo pensar nisso.

Vamos para outro exemplo: Colocamos diversas crianças numa sala de aula e falamos que todas deveriam ser capazes de aprender a calcular os ângulos de um triângulo no sexto ano do ensino fundamental, com a mesma idade e em exatamente 3 aulas de 50 minutos. Se você não aprendeu não vão amarrar sua mão, mas vão te convencer que você é burro.

Sim, o segundo exemplo é tão ridículo quanto o primeiro. Alguém estabeleceu que todos devem ser capazes de aprender as mesmas coisas, do mesmo jeito e com o mesmo tempo! Isso é ridículo! Tem gente que vai aprender matemática mais rápido e que vai demorar mais em geografia e vice-versa.

A escola te fez acreditar ser burro sem nunca questionar isso. De novo, destrua essa crença limitante! Com novas tecnologias como as aulas online e o youtube cada um pode aprender no seu tempo.

Durante um tempo dei aulas de matemática e sabe qual a coisa mais difícil de ensinar o aluno? Ensinar que matemática não é difícil e que ele não é burro! O aluno só vai começar a aprender de verdade quando se convencer disso, infelizmente a escola não está nem aí pra isso e se ele aprende em uma velocidade diferente ele que se ferre. É preciso primeiro destruir suas crenças limitantes antes de começar a ensinar de fato.

 

 Livro de um dos patronos da educação moderna, o grande Paulo Freire, leitura essencial para quem gosta da área de Educação

 

5. Aprenda com quem sabe

Tive a oportunidade de fazer um curso de matemática com um cara muito bom que é professor do ITA e consultor na área de matemática aplicada para empresas e toda a aula ele repetia “Matemática é tão fácil que eu ensino até pra um cavalo”. E realmente ensinava assuntos complexos da matemática para qualquer pessoa, nos seus cursos você via de estudantes de ensino médio até velhinhos, gente de exatas e gente de humanas.

Sabe qual o grande diferencial dele? Ele ia buscar o conhecimento direto na fonte. Se ele fosse ensinar Cálculo, ele caçava o primeiro livro de Cálculo escrito na história e via o porque aquilo surgiu naquele momento, quem inventou, quais as motivações, como foi criado.

A verdade é que o conteúdo que nos chega hoje é a cópia da cópia da cópia da cópia… Imagine o quanto não se perdeu nesse tempo? Ainda mais quando paramos para pensar que quem sabe faz e quem não sabe ensina. Lógico que não dá para generalizar e existem professores excelentes e que realmente dominam sua área, mas eu perdi as contas de quantos professores eu tive que nunca aplicaram o conhecimento! Tive um professor de estatística APLICADA que nunca aplicou estatística numa empresa! Só aprendeu nos livros!!! Como ele vai ensinar estatística APLICADA?

Sabe o que acontece quando você tem aula com um cara desses? Ele não domina o conteúdo que ensina e, consequentemente, não consegue ensinar e você acha que a culpa é sua! NÃO! A culpa muitas vezes é do professor na sua frente! O pior… Esse mesmo professor meu tinha um livro publicado no assunto.

Outra coisa que o consultor do ITA e que manjava muito falava e que só fui entender depois era  algo assim: Vocês não fazem ideia do tanto de livro ruim que tem por aí, você pega aquilo e vai ler e não entende nada! Você não entende por que nem o cara que escreveu entende, só tem marreta no livro! Como você não entende nada você começa a se achar burro, enquanto na verdade não é, só não tem a ferramenta certa de aprendizagem.

Depois que construí uma boa base de matemática e peguei o livro do cara da estatística aplicada dava vontade de chorar de tão ruim que o livro era, ainda mais ao pensar no tanto de aluno que se achava burro pois não entendia a matéria com aquele livro.

Em resumo: Busque as fontes originais, busque conteúdo de qualidade, aprenda com quem realmente domina o assunto! A melhor forma de descobrir isso é conversando com quem realmente entende da área que você quer se aprofundar.

 

5b. Cuidado com os medíocres

Por definição 50% das pessoas em qualquer área estão abaixo da média, isso vale pro ensino também.

Pra piorar, em todas as áreas a gente tem muito profissional realmente medíocre no mercado, o problema é que sem conhecer o que é bom você não consegue julgar. Você não consegue dizer se um médico é ruim sem conhecer a área e sem conhecer bons médicos. O mesmo ocorre no ensino, você passa pela mão de professores horríveis, não percebendo isso acaba achando que a culpa é sua.

Eu reforço: Procure os melhores! Se não sabe os identificar ainda, procure conversar com quem sabe! Você vai ficar surpreso com como as pessoas são receptivas se você mandar uma mensagem no Likedin, por exemplo.

.  .  .

Seguindo essas 5 dicas você vai perceber como aprender vai se tornar muito mais fácil do que você imagina! Tenha sempre isso em mente antes de optar por aprender qualquer coisa.

O texto número 3 da série é sobre cursos onlines, vamos falar vantagens dos cursos onlines e onde você pode começar a aprender.