Recentemente venho participando de alguns processos seletivos para enriquecer o conteúdo do O Livro Negro dos Estágios, que lancei com meu amigo Peirol, fundador do MyCsF, em Agosto. Um desses processos foi o da Arpex, um fundo de investimento especializado em soluções de pagamento.

Se você procurar informações sobre eles não vai encontrar quase nada, embora estejam crescendo de maneira exponencial. Essa aversão à mídia provavelmente vem de um dos investidores do fundo, o mega empresário Jorge Paulo Lemann. Entre as maiores empresas investidas estão a Pagar.me e a Stone.

Dos processos que participei este, por enquanto, foi de longe o mais organizado e completo, com foco em realmente tentar conhecer a pessoa por trás do currículo. Eles aplicam todo um conceito de encantar o candidato ao longo do processo, por exemplo, logo que você entra no site do Recruta Arpex, você encontra uma lista de livros (um melhor do que o outro, diga-se da passagem) que eles dizem ser conteúdo que os inspira. Não preciso nem dizer que pra quem é apaixonado por ler, como eu, isso já começou a fazer eu olhar diferente pra empresa.

Livros Recruta Arpex: Paixao por vencer, Made in america, dobre seus lucros, o livro vermelhor das vendas, empresas feitas para vencer, os 7 jabitos das pessoas altamente eficazes, transformando suor em ouro, como o google funciona, the talent masters, how champions think, punching in, it's how you play the game, doing what matters, management in 10 words, the virgin way, o lado difícil das situações difíceis, um novo jeito de trabalhar, satisfação garantida, Foco, O jeito disney de encantar clientes

Quantos livros indicados pela Arpex você já leu? Estou em 7 de 20, mas aumentando!

Para vocês terem uma ideia de como a Arpex leva o recrutamento a sério a última fase do processo seletivo é um final de semana cheio de atividades em um sítio para que eles possam te conhecer melhor, ao mesmo tempo em que te “encantam”.

A Arpex está crescendo tanto que até o pessoal que é reprovado no Recruta, mas que ainda sim é muito bom, vai sendo chamado para outras entrevistas para entrar nas empresas investidas da Arpex.

Tá, mas por que eu estou escrevendo sobre eles? Durante o processo uma das fases foi ler e fazer uma resenha crítica do livro Paixão Por Vencer do Jack Welch, ex-CEO da General Electric.

O livro é tão foda que o Warren Buffet (o 3º homem mais rico do mundo) disse uma vez que esse é o único livro de negócios que você têm que ler na vida.

Enfim, gostaria de compartilhar com vocês o texto que escrevi para o processo seletivo. Abraços!

 

Paixão por Vencer, não! Winning!

Enquanto facilitava uma edição do LabX, um programa de liderança, na Paraíba, tive a oportunidade de conhecer um empreendedor que estava abrindo uma fábrica de aviões. Em um ponto da conversa, perguntei: Qual a fórmula do sucesso? – Ele parou, pensou e respondeu: A fórmula do sucesso está aí, todo mundo conhece, a diferença é que alguns fazem e outros não.

Quando li o livro Paixão por Vencer, me perguntei se nele estaria a tal fórmula do sucesso. Jack Welch, um dos melhores gestores do mundo, sintetizou o que é necessário para fazer uma empresa vencedora: Uma cultura clara com missão e valores definidos de modo palpável; Relações construídas com base em integridade e sinceridade, na qual todos tenham voz; Um sistema meritocrático que reconhece os que entregam resultado, ao mesmo tempo em que oferece suporte para que o restante da organização melhore; Líderes que inspiram ação e desenvolvem pessoas; Capacidade de contratar e gerir as pessoas certas; Capacidade de lidar com mudanças e crises, além de inovar.

Essa lista se desdobra em vários pontos, apresentando alguns conselhos e modelos de administração geniais como por exemplo o 20-70-10 para gestão de pessoas, o framework dos 4Es e 1P e insights para definir uma missão e valores que vão além do blablablá das escolas de negócio.

Por outro lado, muito do que o Jack Welch fala não têm nada de novo, são práticas que podem ser encontradas em outros lugares. Para citar algumas: Quando ele fala da importância de contratar as pessoas certas e de diferenciação e meritocracia, encontramos conselhos muito semelhantes nos livros do Jim Collins e na cultura do grupo 3G. Quando ele fala de franqueza para lidar com situações difíceis, o mesmo é visto no livro onde Eric Schmidt explica como o Google funciona. Quando J. Welch explica que as pessoas não são 20, 70 ou 10, elas estão 20-70-10, vemos algo parecido no livro Transformando Suor em Ouro do Bernardinho, que não dá mais oportunidades para alguém só por ter sido uma estrela e sim reconhece e monta o time de forma dinâmica, de acordo com quem entrega mais resultado no presente, enquanto auxilia o restante do time.

As melhores práticas já são bem conhecidas de quem busca estar sempre aprendendo sobre negócios. O que chama a atenção no discurso de Jack Welch é reunir várias dessas best practices em um único livro e apresentá-las de forma extremamente simples, sem tentar dar uma roupagem nova a práticas velhas. Contudo, o grande diferencial, está não na teoria por trás do livro, mas sim na prática. Jack Welch não é um teórico, é alguém que viveu e reviveu cada ponto daquele livro durante os anos que passou na GE. Ele aplicou cada um deles e fez a GE vencer. O diferencial é a capacidade de executar toda essa teoria, o que Jack Welch fez com maestria.

Isso me faz voltar a frase que ouvi do empreendedor paraibano: A fórmula do sucesso está aí, todo mundo conhece, a diferença é que alguns fazem e outros não. Isso me faz crer que o título brasileiro do livro, Paixão por Vencer, foi uma má escolha, passa uma ideia abstrata de que basta vontade e paixão e o sucesso vem. Por outro lado, Winning, o título em inglês, que traduzido ao “pé da letra” seria Vencendo, é genial. Vencendo é um verbo no gerúndio, o que transmite a ideia de uma ação sendo realizada de modo contínuo. Winning é genial, não por ser um resumo de best practices, Winning é genial porque é apresentado como um processo que dura anos, um processo que precisa ser executado dia sim e dia também, sem atalhos. Winning não é só um mapa, Winning é uma jornada.